ONU denuncia uso de força excessiva e diz que mais de 5 mil foram presos na Venezuela

8
ago

Guarda Nacional Bolivariana (GNB) enfrenta manifestantes que protestavam em Caracas, na Venezuela, em imagem de arquivo (Foto: Ariana Cubillos/AP)

Guarda Nacional Bolivariana (GNB) enfrenta manifestantes que protestavam em Caracas, na Venezuela, em imagem de arquivo (Foto: Ariana Cubillos/AP)

Por G1 – A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 5.051 pessoas foram presas na Venezuela desde abril, quando as manifestações contra o presidente Nicolás Maduro passaram a ser diárias. Mais de mil continuam presas. Na avaliação da instituição, o governo tem recorrido ao uso da força excessiva sistematicamente contra manifestantes.

 

“As entrevistas realizadas a distância (…) sugerem que na Venezuela tem acontecido um uso generalizado e sistemático de força excessiva e detenções arbitrárias contra os manifestantes. Milhares de pessoas foram detidas arbitrariamente, muitas delas foram vítimas de maus-tratos e inclusive de torturas”, declarou o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein, em um comunicado, de acordo com a France Presse.

 

Em conclusões preliminares com base em 135 entrevistas realizadas remotamente e no Panamá, o Escritório do Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos disse que investigou 124 mortes, das quais 46 foram atribuídas às forças de segurança e 27 a grupos armados pró-governo, enquanto a causa das outras não está clara, segundo a Reuters.